VEM PRO GOOGLE

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

segunda-feira, 4 de junho de 2012

FOBIAS ESPECÍFICAS II - LETRA B (ESTUDO DIRIGIDO): VOCÊ TEM MEDO DE QUÊ?

BACILLOFOBIA, BACILLOPHOBIA, BACILOFOBIA, BACTERIOFOBIA OU BACTERIOPHOBIA
imagem: hughes.jpgswingfashionista.com
É o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional de micróbios ou bactérias. É um tipo razoavelmente comum de transtorno de ansiedade, que pode resultar na obsessão de se limpar, assim como evitar os apertos de mãos, manter distância de outras pessoas, cobrir a boca ao falar. O nome mais famoso associado à bacillofobia é o de Howard Hughes. O norte-americano multimilionário e piloto foi sucesso também como diretor de cinema. Empresário e engenheiro reconhecido, planejou o maior avião da época, o Hércules. Nos últimos vinte anos de sua vida – a partir de 1960 – manteve-se afastado da vida pública em um hotel de Las Vegas, de sua propriedade, sem ser visto em público ou fotografado. 
Em 1946, durante um vôo de reconhecimento militar, sofreu um acidente, com sérias queimaduras e uma lesão que lhe dificultou o...
caminhar. Passou a tratar-se com morfina e teve aumentadas suas fobias relativas à higiene. Leonardo DiCaprio interpretou Hughes em  “O Aviador", indicado ao Oscar em 2005.
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html

BALISTOFOBIA OU BALISTOPHOBIA 
imagem: missil.jpg. bahianoticias.com.br
É o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional a mísseis ou projéteis.  A balistofobia é comum em países dominados por conflitos civis, atentados terroristas e guerras. Tanto os militares como a população civil podem ser vulneráveis a desenvolver a fobia, vez que expostos a situações traumatizantes.
 Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html

BAROFOBIA OU BAROPHOBIA 
imagem: isaac newton lei da gravidade mega sena.jpg. blog.educacaoadventista.org.br
É o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional da gravidade.
Os farofóbicos podem ter suas fobias desencadeadas por quedas traumáticas na infância ou pelo emprego da imaginação de eventos relacionados à força da gravidade. 
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html

BASIFOBIA, BASIPHOBIA, BASOFOBIA OU BASOPHOBIA
imagem: phobia-2-2009-2.jpg. bocadoinferno.com
É o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional de ser incapaz de ficar em pé ou de andar. O basifóbico tem medo de cair. Em virtude desse temor, pode recusar-se a levantar ou a andar. O medo pode estar relacionado a circunstâncias específicas, com origem em um evento traumático experimentado no passado. Tal evento pode ter sido, por exemplo, longa imobilização, a partir de um acidente.
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html




BATMOFOBIA OU BATMOPHOBIA 
imagem: 9052668_h1cUp.jpeg. albufeira2011.blogs.sapo.pt
É o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional dos degraus e das encostas íngremes .
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html



BATOFOBIA, BATOPHOBIA, BATHOFOBIA OU BATHOPHOBIA
imagem: corredor_escuro.jpg. raquelamarante.blogspot.com
É o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional à profundidade, que pode incluir lagos, lugares elevados, poços, piscinas ou mesmo longos corredores. Ainda que percebam que estão a salvo do perigo de cair ou ser consumido pela profundeza, o batofóbico não consegue controlar os sintomas de sua fobia.
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html



BATONOFOBIA OU BATONOPHOBIA 
imagem: planta+lados.png. t-tricks.blogspot.com
É o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional das plantas.
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html


BATRACHOFOBIA, BATRACHOPHOBIA, BATRACOFOBIA OU BATRACOPHOBIA 
imagem: imagesCATHMD02.jpg. bitiobueno.blogspot.com
É o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional medo dos anfíbios (rãs, sapos, salamandras, etc).
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html



BELONEFOBIA, BELONEPHOBIA, AICNOFOBIA OU AICNOPHOBIA 
imagem: agulha.jpg. storearcoirisametro.com
É o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional de agulhas, alfinetes ou objetos punsantes ou vir a ser picado por qualquer deles.
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html



BIBLIOFOBIA OU BIBLIOPHOBIA 
imagem: livros.gif. alfazenite.blogspot.com
É o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional a livros e bibliotecas. É uma fobia incomum, podendo o fator desencadeante dos sintomas ser apenas determinada espécie de livros, como romances ou ficção científica. A Mythophobia ou Mitofobia, definida como o medo de lendas, é considerada um subtipo de bibliofobia, pois encerra o medo de uma espécie de leitura: as lendas escritas. Outro subtipo é a Metrophobia ou metrofobia, o medo de poesia. A bibliofobia pode ser desenvolvida a partir de dificuldades de aprendizagem ou de leitura.
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html



BIOPHOBIA OU BIOFOBIA 
imagem: NATUREZA+02.jpg. brunojpteixeira.blogspot.com
É o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional aos sistemas naturais, e não “à vida e ao convívio com o gênero humano”, como já propalado neste meio. A biophobia ou biofobia é o oposto da biophilia: esta é a necessidade do gênero humano para ambientes mais próximos dos ecossistemas naturais; aquela, a aversão à natureza.  Um subtipo de biophobia é o medo das cobras, por exemplo, ou o medo de anfíbios, acima referenciado. No entanto, o gênero biophobia engloba todo o sistema natural. As pessoas foram gradativamente afastadas da natureza, sendo envolvidas por prédios, seja onde trabalham, seja onde moram. No trajeto, circulam por vias, onde também têm o concreto por entorno. O ar que respiram é condicionado. O ambiente não é apenas limpo, mas “desinfetado”. A fobia tem a sua razão de ser: em muitas das vezes, aqueles que vivem junto à natureza sofrem com desastres naturais, fome e sede. Os espaços são, em geral, mais amplos e menos populosos. Entretanto, estudos demonstram que hoje as crianças que vivem em meios rurais e crescem bebendo leite não pasteurizado têm menos incidência de asma e alergias do que as citadinas. No meio rural há menos depressão e melhor sistema imunológico. Existem interessantes artigos a respeito, alguns deles indicados na bibliografia deste trabalho.
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html



BLENNOFOBIA, BLENNOPHOBIA, BLENOFOBIA, BLENOPHOBIA, MIXOFOBIA OU MYXOPHOBIA
imagem: Slime_Monster_by_14_bis.jpg. 14-bis.deviantart.com 
É o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional a lodo ou limo, que seriam substancias viscosas ou mucosas (slime), como o gel liberado por peixes, caracóis e outros animais. Blennofóbicos surtam temendo sufocar em função do espesso muco.
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html



BOGIFOBIIA OU BOGYPHOBIA 
imagem: bicho-papao.jpgpergunteaofred.blogspot.com
É o medo ou aversão e receio mórbido, irracional, desproporcional, e persistente ao bicho-papão, estendido o conceito a demônios, duendes, espíritos, etc.
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html




BOLSHEFOBIA, BOLSHEPHOBIA BOLSEFOBIA OU BOLSEPHOBIA 
imagem: comunismo.jpg
É o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional aos bolchevistas (ou bolcheviques) e, por extensão, aos comunistas. O medo de doutrinas comunistas alimenta a bolshefobia. Na Rússia, a sombra do passado comunista ainda paira sobre sua população, onde os líderes “comunistas” impuseram regras restritas sobre renda, religião e política.
Em especial durante a Guerra Fria, o regime totalitário produziu medo e paranóia, especialmente entre os americanos, em função da grande propaganda produzida pelo capitalismo.
Em verdade, o regime implantado na União Soviética não foi baseado na doutrina marxista e jamais foi comunista, assim como não é comunista o regime implantado na China, embora tenham se utilizado do nome Marx para impor o sistema totalitário.
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html



BOTANOFOBIA OU BOTANOPHOBIA 
É o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional à qualquer tipo de plantas, sejam arbustos, árvores ou flores. Em casos mais graves, pode ser acionado mesmo por filmes na televisão ou no cinema.
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html



BROMIDROFOBIA, BROMIDROPHOBIA, BROMIDROSIFOBIA OU BROMIDROSIPHOBIA 
imagem: Mau-Cheiro.jpg. diariodearapongas.blogspot.com
Aversão e receio mórbido, irracional, desproporcional, e persistente de desprender mau cheiro corporal, próprio ou alheio.
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html



BRONTOFOBIA OU BRONTOPHOBIA 
imagem: tempestade-de-raios-1.jpg. meioambiente.culturamix.com
É o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional de trovões, relâmpagos e tempestades. Bronto é termo que remete a tempestade.
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html



BUFONOFOBIA OU BUFONOPHOBIA 
imagem: sapos.jpg. curiosidades-galeriacores.blogspot.com
É o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional a sapos.
Para saber mais sobre fobias (conceito, origem, tratamento, classificação, etc.), acesse: http://anotacoesmedicinalegal.blogspot.com.br/2012/06/medos-e-fobias.html


OBSERVAÇÃO
Existem listas que circulam indiscriminadamente na Internet, criadas a partir de fontes não confiáveis, em geral fruto do copiar e colar, prática conhecida como span de conteúdo e utilizada para atrair os sites de busca. 
Muitos sites pretensamente psiquiátricos parecem, à primeira vista, abranger um número extraordinário de fobias. No entanto, utilizam-se de um texto padrão, no qual adaptam nomes ao sufixo fobia, resultando, inúmeras vezes, em definições estapafúrdias, como o bizarro termo ANTROFOBIA, significando medo ou aversão às flores, quando o significado do termo grego “antron” e do latino “antrum” é “cavidade, espaço oco, caverna” e ANTROPOFOBIA, como o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional aos relâmpagos, quando “antropo” não significa menos do que “homem”. Outra “pérola” é a definição de APEIROFOBIA, como medo ou aversão “aos apetrechos de lavoura, ou de quaisquer instrumentos de trabalhos, artes ou ofícios”. O que liga “apeiro” a instrumentos de trabalho? Nada. Isto porque o significado de “apeiro”, do grego ápeiros, infinito, vincula a fobia ao infinito. Portanto, APEIROFOBIA somente poderia designar o medo de infinito. Mais um exemplo pode ser citado em uma lista excepcionalmente divulgada, em que o significado de ATIQUIFOBIA relaciona a fobia a “decisão tomada por uma pessoa competente sobre um assunto controvertido”, sendo que a seguir, no mesmo rol, é definida a palavra ATYCHIFOBIA, de mesmo radical, como a fobia a “errar, transgredir ou sofrer acidentes”. O que tais alhos tem a ver com os bugalhos? Como explicar a falta de simples leitura, onde seria averiguada com facilidade a discrepância? Outro mau exemplo é BIOFHOBIA ou BIOFOBIA, traduzido como o medo desproporcional e irracional “à vida e ao convívio com o gênero humano”. Ainda que o sufixo “bio” remeta à vida, a dedução não foi feliz. Isto porque BIOPHOBIA ou BIOFOBIA e o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional aos sistemas naturais.  A respeito, indiquei diversos e interessantes artigos na bibliografia deste trabalho. Mais outra definição estrambólica é a de EXOFOBIA. Ao que se sabe, o prefixo “exo”, originário do grego ékso, significa “fora”. Pois bem, em listas divulgadas, exofobia foi definida – e diversas vezes divulgada - como “o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional ao sexo oposto”. Não faz o menor sentido, porque exophobia é uma rejeição do desconhecido, de coisas novas, complexas e diferentes, do estrangeiro, do intangível, de tudo o que se traduz em uma experiência fora da normalidade. É aplicada, de forma extensiva, aos imigrantes ou grupos de imigrantes. Em outra definição, tomou-se FILOFOBIA por “medo de cair”. Não é correta: filo, em grego, significa amor. Daí o termo FILOFOBIA poder ser traduzido como o medo do amor. A confusão talvez se deva a uma má tradução do termo “fall in love", do inglês, que significa se apaixonar. Há a definição de FONOFOBIA como sendo a “aversão ao móvel”. Da mesma forma não faz sentido. É sabido que fono relaciona-se com sons. Por extensão, a ruídos e vozes, mas jamais “ao móvel”. Outra “invenção” infeliz deu-se quanto ao significado de LYSSOFOBIA. A definição “o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional a enojar-se” não tem qualquer embasamento, seja técnico, seja terminológico. LYSSOFOBIA é o medo ou aversão mórbida, irracional e desproporcional a ter um acesso de fúria. O termo lysso, em grego, significa uma desordem mental específica ou uma preocupação obsessiva com alguma coisa; loucura, obsessão ou desejo anormal para ou com algo ou alguém, também um entusiasmo excessivo ou predileção por alguma coisa. LYSSOFOBIA pode significar, pois, o medo da loucura ou o de sofrer um colapso nervoso.
Por esse motivo, os verdadeiros especialistas tendem a evitar o sufixo fobia, utilizando-se, pois, de termos mais descritivos, como transtornos de ansiedade (que não se confundem com os transtornos de personalidade) e que os diferenciam daqueles que, não se aprofundando na matéria, limitam-se à simples cópia.
Ante um termo que não apresentasse respaldo lógico ou morfológico, descartei-o, entre tantos, vez que não encontra respaldo na literatura médica ou em sites confiáveis, mas apenas em dezenas de reproduções de uma lista de “fobias”, não confiável. Dispensei, de igual forma, aqueles termos reproduzidos de uma única lista, não corroborados pelos sites científicos.
Tudo é válido para angariar visitas à página? Creio que não. É preferível checar, ao menos, os significados, pesquisar ramos afins ao ramo em que se trabalha ou estuda, ainda que a tarefa acarrete o gasto de um tempo que poderia ser destinado a outros afazeres. Por respeito àquele que lerá o texto, no futuro. Ou, quem sabe, pela satisfação de ter dado o seu melhor. De toda maneira, após pesquisar cada termo, segue, abaixo e nas demais postagens uma lista de fobias, que entendo, ao menos, razoável. 
Postar um comentário

ITANHAÉM, MEU PARAÍSO

ITANHAÉM, MEU PARAÍSO
A vida existe para ser vivida, não adiada.

Quem sou eu

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

Arquivo do blog

COMO NASCEU ESTE BLOG?

Cursei, de 2004 a 2008, a graduação em Direito na Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo (FDSBC).

Registrava tudo o que os professores diziam – absolutamente tudo, incluindo piadas, indicações de livros e comentários (bons ou maus). Por essa razão, eram as anotações bastante procuradas.

Entretanto (e sempre existe um entretanto), escrevia no verso de folhas de rascunho, soltas e numeradas no canto superior direito, sem pautas, com abreviações terríveis e garranchos horrorosos que não consigo entender até hoje como pudessem ser decifradas senão por mim.

Para me organizar, digitava os apontamentos no dia seguinte, em um português sofrível –deveria inscrever sic, sic, sic, a cada meia página, porque os erros falados eram reproduzidos, quando não observados na oportunidade em que passava a limpo as matérias -, em virtude da falta de tempo, dado que cumulei o curso com o trabalho e, nos últimos anos, também estagiei.

Em julho de 2007 iniciei minhas postagens, a princípio no blog tudodireito. A transcrição de todas as matérias, postadas em um mesmo espaço, dificultava, sobremaneira, o acompanhamento das aulas.

Assim, criei, ao sabor do vento, mais e mais blogs: Anotações – Direito Administrativo, Pesquisas – Direito Administrativo; Anotações – Direito Constitucional I e II, Pesquisas – Direito Constitucional, Gramática e Questões Vernáculas e por aí vai, segundo as matérias da grade curricular (podem ser acompanhados no meu perfil completo).

Em novembro de 2007 iniciei a postagem de poemas, crônicas e artigos jurídicos noRecanto das Letras. Seguiram-se artigos jurídicos publicados noJurisway, no Jus Navigandi e mais poesias, na Sociedade dos Poetas Advogados.

Tomei gosto pela coisa e publiquei cursos e palestras a que assistia. Todos estão publicados, também, neste espaço.

Chegaram cartas (pelo correio) e postagens, em avalanche, com perguntas e agradecimentos. Meu mundo crescia, na medida em que passava a travar amizade com alunos de outras faculdades, advogados e escritores, do Brasil, da América e de além-mar.

Graças aos apontamentos, conseguia ultrapassar com facilidade, todos os anos, as médias exigidas para não me submeter aos exames finais. Não é coisa fácil, vez que a exigência para a aprovação antecipada é a média sete.

Bem, muitos daqueles que acompanharam os blogs também se salvaram dos exames e, assim como eu, passaram de primeira no temível exame da OAB, o primeiro de 2009 (mais espinhoso do que o exame atual). Tão mal-afamada prova revelou-se fácil, pois passei – assim como muitos colegas e amigos – com nota acima da necessária (além de sete, a mesma exigida pela faculdade para que nos eximíssemos dos exames finais) tanto na primeira fase como na segunda fases.

O mérito por cada vitória, por evidente, não é meu ou dos blogs: cada um é responsável por suas conquistas e a faculdade é de primeira linha, excelente. Todavia, fico feliz por ajudar e a felicidade é maior quando percebo que amigos tão caros estão presentes, são agradecidos (Lucia Helena Aparecida Rissi (minha sempre e querida amiga, a primeira da fila), João Mariano do Prado Filho e Silas Mariano dos Santos (adoráveis amigos guardados no coração), Renata Langone Marques (companheira, parceira de crônicas), Vinicius D´Agostini Y Pablos (rapaz de ouro, educado, gentil, amigo, inteligente, generoso: um cavalheiro), Sergio Tellini (presente, hábil, prático, inteligente), José Aparecido de Almeida (prezado por toda a turma, uma figura), entre tantos amigos inesquecíveis. Muitos deles contribuíram para as postagens, inclusive com narrativas para novas crônicas, publicadas no Recanto das Letras ou aqui, em“Causos”: colegas, amigos, professores, estagiando no Poupatempo, servindo no Judiciário.

Também me impulsionaram os professores, seja quando se descobriam em alguma postagem, com comentários abonadores, seja pela curiosidade de saber como suas aulas seriam traduzidas (naturalmente os comentários jocosos não estão incluídos nas anotações de sala de aula, pois foram ou descartados ou apartados para a publicação em crônicas).

O bonde anda: esta é muito velha. A fila anda cai melhor. Estudos e cursos vão passando. Ficaram lá atrás as aulas de Contabilidade, Economia e Arquitetura. Vieram, desta feita, os cursos de pós do professor Damásio e da Gama Filho, ainda mais palestras e cursos de curta duração, que ao todo somam algumas centenas, sempre atualizados, além da participação no Fórum, do Jus Navigandi.

O material é tanto e o tempo, tão pouco. Multiplico o tempo disponível para tornar possível o que seria quase impossível. Por gosto, para ajudar novos colegas, sejam estudantes de Direito, sejam advogados ou a quem mais servir.

Esteja servido, pois: comente, critique, pergunte. Será sempre bem-vindo.

Maria da Glória Perez Delgado Sanches