VEM PRO GOOGLE

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

terça-feira, 1 de abril de 2008

RESUMO III

IDENTIFICAÇÃO ÓSSEA

ANTROPOMETRIA: Auxilia na identificação do ser humano. Não guarda precisão, mas da orientação para se fazer uma identificação positiva.

Podemos identificar, analisando o esqueleto:

Estatura: Medindo-se o fêmur, por uma tabela, se sabe a altura do dono daquele osso. É um valor aproximado.

Sexo: Através da textura óssea, podemos distinguir o sexo do “de cujus”.
O sexo masculino possui textura óssea mais densa na região frontal, mandíbula e bacia mais fechada.
O sexo feminino apresenta textura óssea menos densa, e bacia mais aberta.

IDADE: Através de certos ossos, podemos identificar a idade aproximada do esqueleto.
a) DENTIÇÃO: Ao redor do segundo mês a criança vai apresentando a erupção da decídua (dentes de leite em Carapicuíba!!) dos incisivos superiores. Pelo número de decíduas sabe-se aproximadamente a idade da criança.
a. DENTIÇÃO DEFINITIVA: Surge com 6 ou 7 anos. A decídua é substituída pela definitiva, que se completa com 13 anos.
b. TERCEIRO MOLAR (Dente do siso): Aparece com aproximadamente 18 anos. É um dente que não nos serve pois não nos auxilia na mastigação. É um dente vestigial (servia apenas aos nossos antepassados).

b) FONTANELAS (moleira em Carapicuíba): É uma cartilagem que ainda não se transformou em osso (cartilagem + cálcio). Os ossos da caixa craniana se sobrepõem para a saída do bebe no parto. Fecha ao redor dos dois anos.

c) PUNHO DIREITO: Todos os ossos crescem até uma certa idade + / - até os 21 anos em razão do hormônio do crescimento e através do raio-x do punho pode-se determinar a idade óssea do indivíduo antes de ter seu crescimento terminado.

a. NANISMO: É quando os hormônios do crescimento cessam antes da hora.
b. GIGANTISMO: É quando os hormônios do crescimento não cessam.

d) ALTERAÇÕES DO ESQUELETO: Surgem partir da 4a década de vida.
a. Osteoartrose (bico-de-papagaio em Carapicuíba): A ligação entre uma articulação e outra é feita por um tecido fibroso que calcifica e se parece com um “bico de papagaio”. É um processo degenerativo das articulações.



















CENTRO DE OSSIFICAÇÃO: Ocorre mediante o hormônio do crescimento. Quem não tem este hormônio, para de crescer, fica anão. Esses hormônios atuam nos centros de calcificação. Todo osso tem um centro de calcificação. O osso é rígido porque possui cálcio. Se tirar, vira cartilagem.

• DIÁFISE = Centro do osso;
• EPÍFISE = As extremidades do osso.

Se houver calcificação total das extremidades pára de crescer. Nas extremidades há a produção de cartilagem.

No Raio X, vou verificar se as extremidades ainda estão produzindo cartilagem. Se não estiver mais produzindo cartilagem e estiver calcificado, o indivíduo é maior de 18 anos.

CONTRATURA DE VOLKMAN: É o apinçamento de nervos e artérias. Ocorre quando há fraturas ou luxações. Há perda de movimento, pois o nervo fica sem oxigenação.

ISQUEMIA: É a falta de sangue oxigenado.

NECROSE: Sinônimo de processo de morte.

REDUÇÃO DE FRATURA: É colocar o “osso no lugar” (em Carapicuíba).
FRATURA ABERTA: É sinônimo de fratura exposta.

OSTIOMIELITE: É a infecção do osso fraturado no caso de fratura aberta (vide nota anterior), causada por bactéria.

FRATURA EM BISEL: É a fratura em ângulo transversal (em Carapicuíba, seria na diagonal).

EQUIMOSE: “Sangue pisado” (naquela cidade do professor). É a não formação de coágulo. “Roxidão”. Lembre-se de uma pancada forte.


IDENTIDADE E IDENTIFICAÇÃO

Identificação é a ação de se estabelecer a identidade.
Identidade é a característica individual das pessoas. Existem 2 tipos de identidade:
a) Identidade subjetiva: É como a pessoa se vê. É o juízo que a pessoa tem de si mesma. É a personalidade.
b) Identidade Objetiva: É como a pessoa é vista externamente. É a aparência física. É determinada pelo:
a. Genótipo: NUNCA se altera. É a “composição” genética do indivíduo (DNA). É carga genética que o indivíduo possui.
b. Fenótipo: É a aparência externa do indivíduo, tal como, se possui ou não barba, cabelo, bigode, a cor do cabelo (tingido ou não), a cor dos olhos, a forma como se veste e é influenciado. É possível a modificação do fenótipo mudando a cor do cabelo, cortando a barba, alterando a face através de cirurgia plástica, entre outros meios.


MÉTODOS DE IDENTIFICAÇÃO

DATILOSCOPIA: É o sistema de identificação através da impressão digital. Esse sistema foi descoberto pelo uruguaio Vucetish.



Arcos (A): as linhas datilares formam-se em um lado e tendem a sair pelo outro lado. Não forma nenhum delta.
Verticilos(V): as linhas datilares tendem a apresentar um padrão concêntrico, espiralado, ovoidal ou sinuoso no centro da impressão. Formam dois deltas, um de cada lado da impressão digital.
Presilhas Externas (E): as linhas formam-se na direita do observador, curvam-se no centro da impressão e tendem a voltar para o mesmo lado. Forma delta do lado esquerdo do observador.
Presilhas Internas (I): as linhas formam-se à esquerda do observador, curvam-se, e tendem a voltar para o mesmo lado. Forma um delta do lado direito de quem observa.

No Brasil, são necessários pelo menos 12 pontos coincidentes para a identificação digital positiva.


PAPILAS MARGINAIS





PAPILAS NUCLEARES





PAPILAS BASILARES





FÓRMULA DATILOSCÓPICA


 (DELTA) 1o DEDO OUTROS DEDOS
FD =  - 
 - 
VERTICILO 2 V 4
PRESILIA EXTERNA 1 E 3
PRESILIA INTERNA 1 I 2
ARCO 0 A 1


MAO DIREITA -


MAO ESQUERDA -



Letra referente ao primeiro dedo Números

No caso de perda da falange (ponta do dedo) coloca-se o 0 (ZERO). Caso a falange tenha sido queimada, mas ela existe ainda, coloca-se um X.



IDENTIDADE GENÉTICA: É a que se verifica com o exame do DNA. No Brasil, o órgão responsável pelos exames de DNA é o IMESP (Instituto de Medicina e Criminologia de São Paulo). É o órgão que mais faz exames genéticos no mundo. É possível fazer exames de DNA em laboratórios particulares. O IMESP faz gratuitamente. O índice de certeza dos exames de DNA é de 99,99%.

SETORES – Divide-se o dedo em 4 setores para pegar sinais distintivos. Ao confrontar estes setores (Quadrante, por exemplo), tenho que encontrar pelo menos 12 ou mais pontos coincidentes para poder dizer que aquela impressão digital pertence a um indivíduo.
• No Brasil – 12 pontos;
• No E.U.A. – 15 pontos;
• Na França – 20 pontos.

Nem sempre encontramos a impressão digital numa posição propícia, por isso a exigência de 12 ou mais pontos em comum é indispensável. Se a pessoa é menor de idade, é muito difícil (Se a pessoa nunca foi fichada), ou se não se encontrar nenhuma impressão digital.

Quando é possível lançar mão destes métodos, o melhor modo de cometer um crime perfeito é não cometê-lo.

No local do crime, podemos encontrar sangue, pegadas, etc. A impressão digital nunca é perfeita. Existem outros vestígios que o criminoso deixa no local do crime que possibilita a identificação (Modo de pisar, ou seja, o indivíduo pisa mais forte ou mais fraco, manca, calça tamanho 40, etc.).

No local do crime buscamos todos os dados que o criminoso deixou, inclusive as impressões papiloscópicas.

CRIMES SOB VIOLENTA EMOÇÃO – Geralmente, quando há crime consumado através de instrumento cortante ou por arma de fogo, há sangue e as impressões digitais ficam na parede.



MANCHAS E SECREÇÕES

Muitos RECURSOS BIOQUÍMICOS são utilizados para determinar manchas e secreções.Temos 2 tipos de reações :

1. REAÇÃO DE ORIENTAÇÃO – É aquela que quando positiva diz que determinada secreção ou mancha PODE SER uma determinada substância (Sangue, esperma, etc.).
2. REAÇÃO DE CERTEZA – Diz que sendo positiva, afirma (confirma) que aquilo é determinada substância (Sangue, esperma, etc.).

MANCHA DE ESPERMA
O esperma possui fóssil lípidis, açúcares, gordura, é um suco nutritivo. É o produto resultante da ejaculação, serve de veículo para o gameta masculino (espermatozóide). ESPERMATOZÓIDE – É a célula reprodutora masculina. Encontra-se dentro da vítima (vagina) ou fora (no tecido, Mancha na calcinha). É semelhante a “pano engomado ”.

DOSAGEM DE FOSFATOSE ÁCIDA (Reação de Florence-Barbério) – No Brasil quando encontrar a fosfatose ácida, eu vou achar que é esperma (É reação de orientação). Para os outros países, é a confirmação do que se achava (É certeza).
FOSFATOSE ÁCIDA é uma enzima que também é encontrada em FRUTAS, porém, nas frutas encontramos 5 unidades e no esperma encontramos 500 unidades.

CORIN STOKIS – É uma reação de certeza para identificar o espermatozóide através de uma reação química, que se obtém determinada coloração para certeza.



MANCHAS DE SANGUE
8% do peso do corpo é sangue.

LIPODIMIA: A pessoa passa-mal quando vê sangue.

O sangue é identificado em 3 fases:

1. TESTE DE ORIENTAÇÃO p/ SANGUE (Descobre se é sangue determinado mancha). São em 4 tipos:
a. ADLER: A reação é feita com base em água oxigenada e benzidina. Se for sangue, a mancha ficará azul.
b. AMADO FERREIRA: É feito com benzidina e Ácido Acético.
c. KASTLER-MEYER: Fica vermelho.
d. VAN-DEEN: Se positiva, pode ser sangue. Fica azul-claro.

NOTA: SE ALGUMA DESSAS REAÇÔES FOR NEGATIVAS, NÃO É SANGUE COM CERTEZA!

2. TESTE DE CERTEZA p/Sangue:
a. ESPECTROSCOPIA: Analisa o espectro da substância. Cada substância apresenta um espectro diferente. Incide-se um luz sobre o objeto de análise e estuda-se o comprimento das ondas de luz por ele emitidas.
b. CRISTAIS DE TEICHMANN: O corante utilizado tenta evidenciar a estrutura da hemoglobina, deixando vermelha a reação.
c. CRISTAIS DE HEMOCROMOGÊNIO: A reação fica com cor alaranjada. É técnica parecida anterior.

3. TESTE PARA IDENTIFICAR O SER VIVO:
a. UHLENHUTH: Reação de antígeno e anticorpo. Pega o sangue no local do crime com anticorpo humano. Quando houver o encontro POSITIVO, ocorre precipitação. Verifica-se uma linha branca. Com isso, o sangue é humano. Se a linha não for formada, o resultado humano é NEGATIVO. Pode ser qualquer outro animal.
b. PROVA DE COOMBS: Faz a leitura dos anticopos produzidos em cobaia. Se a cobaia apresentar anticorpos contra o sangue humano, será sangue humano. Se apresentar outro, será de outro ser. Se não apresentar, o animal está identificado.


TIPAGEM SANGUINEA


TIPO HEMACIA PLASMA
A A ANTI B
B B ANTI A
AB AB -
O - ANTI A e B

DOAÇÃO DE SANGUE:

O
(DOADOR UNIVERSAL)


A(RECEBE DE O E DOA PARA A) (RECEBE DE O E DOA PARA B) B


AB
(RECEPTOR UNIVERSAL)


Se o médico precisar de sangue plaquetado, ele não vai poder utilizar sangue que está há bastante tempo estocado em uma operação (Ele vai precisar de sangue recém colhido).
O mecanismo de transfusão não é longo. Porém se verificava até a pouco tempo atrás que muitas vezes na transfusão, o sangue coagulava.

Na superfície das hemácias, podemos ou não ter 2 proteínas :
• A;
• B.
A = Proteína do tipo A.
B = Proteína do tipo B.
O = Nenhuma proteína.

PLASMA – Substância semelhante à gema. Se deixarmos um copo de sangue parado, depois de um certo tempo ocorrerá o processo de decantação. Na superfície ficará boiando algo amarelo (Plasma). No plasma existem proteínas destes fatores (A e B).
Se encontrarmos proteína A com anti A – Elas vão combinar e se precipitam.
No tipo O não existe proteína na superfície.
No plasma vamos encontrar anti A e B.
No tipo AB – Vamos ter proteína A e B. No plasma, nós não vamos encontrar nem o anti A, nem o anti B.
O que reage é sempre a hemácia, que está presente no sangue de quem esta doando ou o plasma do receptor.

O = Doa para todos, porém só recebe de O.
B = Doa para si próprio e para AB.
A = Doa para si próprio e para AB.
AB = Doa apenas para AB e recebe de todos.

FATOR RH:
1 – Com proteína = RH POSITIVO (+).
2 – Sem proteína = RH NEGATIVO (-).

HIPÓTESE:
Mãe = Não tem a proteína (RH -).
Filho = Tem a proteína (RH +).
Sangue de ambos estão em contato.

Proteína = Corpo estranho. O corpo da mãe vai reagir (Vai produzir anticorpos contra esse corpo estranho e vai prejudicar o bebê) = ERITROBLASTOSE FETAL.

É possível descobrirmos o tipo sangüíneo de uma pessoa quando analisarmos a secreção do esperma, saliva, etc?
R: Essa proteína pode estar presente e pode ser identificada em secreções de saliva, esperma, etc., desde a pessoa tenha na sua constituição genética um GENE chamado SECRETOR.

60 % das pessoas possuem este GENE.

A mancha de sangue, de longe, é uma das mais encontradas no local do crime, Possui uma simbologia toda especial, religiosa, até o próprio Cristo morreu derramando seu próprio sangue. A mancha tem este aspecto de vida.

No local do crime, às vezes nós encontramos manchas na parede, no trinco da porta, etc.
Precisamos sempre verificar se é sangue humano mesmo, às vezes pode ser de animal, muitas pessoas costumam sacrificar animais em cultos satânicos.

MECÔNIO: É a primeira EVACUAÇÃO do bebê. Toda vez que a criança tem algum problema de oxigenação, há sofrimento fetal e isso é identificado quando o bebê solta essa secreção dentro da bolsa. Nesse momento, verifica-se a necessidade de realização da casaria.

ESTADO PUERPERAL: Período de 40 dias onde o útero volta ao estado normal. É um período fisiológico da mulher.

• OUTRAS MANCHAS E COISAS

URINA

FEZES (FREADA DE CAMINHÃO ou BICICLETA, em Carapicuíba)

SALIVA: Os açúcares são destruídos na boca, pela enzima pictialina. Açúcar Marcado: A enzima quebra as moléculas de açúcar. Da cor azul passa para branco. Tem-se a certeza de que é saliva.

LIQUIDO AMNIÓTICO: A 1a URINADA (sic do caderno) do bebê é feito nesse líquido.

PRIMEIRA ALIMENTAÇÃO DO BEBÊ: Água + açúcar (p/ cérebro)

EPILEPSIA: Todos os humanos possuem quadro epilético, porém, em diferentes intensidades.


PELO E CABELO: Estruturas cilíndricas. A medula do pelo humano é bem reduzida, enquanto no pêlo do animal essa medula é grande. O córtex do pelo humano (“recheio do cabelo”) é fino, dos animais, é grosso e a cutícula do pelo/cabelo humano é fina e em animais, é grosa.



LESÕES CORPORAIS

INSTRUMENTOS QUE CAUSAM LESÃO

São 3 os instrumentos básicos:
a. Instrumento de um ponto (perfurantes): Não basta o contato entre a superfície e o corpo, sendo necessário um mecanismo de ação que faz o instrumento penetrar no corpo. É necessária uma pressão, sendo que, quanto maior a pressão, maior será a lesão. Além disso, deve ser considerada a profundidade da lesão no corpo. FERIDA PUNCTÓRIA: É a ferida realizada com instrumentos desse tipo.
a. FERIDA PUNCTÓRIA TRANSFIXANTE: É aquela que atravessa o corpo
b. FERIDA PUNCTÓRIA PENETRANTE: É a que não atravessa o corpo.
São necessários 2 fatores para estes instrumentos:
• Energia de vibração: É o mecanismo de ação para provocar lesões, dependendo de sua intensidade.
• Profundidade: O instrumento tem maior área.


b. Instrumentos de uma linha (cortantes): A lesão depende de pressão e deslizamento entre o corpo e o instrumento. Nesta hipótese, teremos uma ferida INCISA. Em geral, na entrada do instrumento, a profundidade é maior (cauda de entrada) e na saída ela é menor (cauda de saída). Se a pessoa for destra (força motora no membro superior direito) o corte será da esquerda para a direita. Assim, do lado esquerdo, teremos uma incisão maior do que do lado direito. Se for sinistro, é o contrário.
• OUTROS TIPOS DE FERIMENTO:
a. ESGORJAMENTO: Cortar o pescoço na parte anterior (frente) ou lateral.
b. DEGOLA: Ferida incisa por instrumento cortante, com corto contundente na região posterior (nuca) do pescoço.
c. DECAPTAÇÃO: Ferimento causado por instrumento cortante, na região cervical que causará a separação da cabeça do tronco.

c. Instrumento de um plano (contundente): As feridas serão contusas sempre no plural, pois estas são sempre variadas. O mecanismo de ação é a massa do objeto em conjunto com a energia de vibração.
• FERIDAS CAUSADAS:
1. FRATURAS;
2. LUXAÇÃO: Os ossos deixam de se articular.
3. HEMATOMAS: Formação de bolsas de sangue no tecido, podendo ser interno ou externo. É visível.
4. EQUIMOSES: Vazamento de sangue no tecido, sem a formação de bolsas.
5. ESCORIAÇÔES: Retirada da epiderme com o atrito (“Esfolou”, em Carapicuíba).
6. LACERAÇÃO: Rasgar o tecido.
• CORPO CONTUNDENTE: É uma categoria onde o corpo possui grande massa e, mesmo com pouca energia de vibração, a lesão será considerável. É DIFERENTE DE INSTRUMENTO CONTUNDENTE.


INSTRUMENTOS MISTOS:

1. Instrumentos perfuro-cortantes: Pressão + Profundidade + deslizamento. Ex: Punhal. É possível tanto perfurar uma pessoa, quanto provocar uma incisão.
2. Instrumentos corto-contundentes: Massa x Velocidade de vibração + deslizamento. Ex: Guilhotina.
3. Instrumentos perfuro-contundentes: Energia de vibração + massa + profundidade. Ex: Aram de fogo, lança.


BALISTICA

Tipos de tiros:

1. TIRO ENCOSTADO: O orifício é grande e disforme e pólvora causa lesões. Efeito mina ou “blow-up”: A pólvora + gases provocam laceração no corpo.

2. TIRO A QUEIMA-ROUPA: É o tiro desferido numa distância de até 40cm. Causa tatuagem verdadeira (a pólvora atinge ao redor do alvo, penetrando na epiderme) e causa tatuagem falsa (a pólvora não penetra na epiderme, ficando apenas superficialmente). Causa depressão e queimadura.

3. TIRO A DISTÂNCIA: É o tiro desferido a uma distância superior a 40cm. Tem apenas a orla, não possuindo a tatuagem.

Todo tiro é estéril, não tem bactérias, devido a alta temperatura do projétil. A exceção é se perfurar a alça intestinal. Em virtude disso, o projétil pode ser deixado dentro do corpo. A exceção é a bala que fica alojada em uma articulação. Isso pode acarretar em uma doença chamado SATURNISMO (contato do chumbo e do líquido SINOVIAL – da articulação -), podendo levar a pessoa a óbito.

O tiro dado perpendicularmente ao corpo, a orla formada é circular. Caso contrario, a orla é sempre elíptica.

TESTE RESIDUOGRÁFICO/PARAFINA: Identifica se há pólvora na mão da pessoa que se supõe ser o atirador.

LESÃO CORPORAL

Art 129 do Código Penal. Dita critérios para classificar as lesões: Dano anatômico, funcional ou psíquico causado na pessoa por um agente químico, biológico ou físico.

1. LESÃO CORPORAL GRAVE: Produz incapacidade para exercer as ocupações habituais por 30 dias.
a. PERIGO DE VIDA: Definido no momento em que ocorre a lesão.
b. DEBILIDADE PERMANENTE: Sentido, função ou membro. É a perda parcial da capacidade
c. ACELERAÇÃO DO PARTO: Não caracteriza se a criança nascer com vida e ser viável.

2. LESÃO CORPORAL GRAVÍSSIMA:
a. INCAPACIDADE PERMANENTE PARA O TRABALHO
b. ENFERMIDADE INCURÁVEL
c. ABORTO
d. PERDA OU INULTILIZAÇÃO DE MEMBRO,SENTIDO OU FUNÇÃO: É a extinção da função.

3. DANO ESTÉTICO: Deformidade permanente. É uma lesão corporal apreciável. Tem que se avaliar a faixa etária, se é casada ou solteira, a profissão, o perfil religioso, a perspectiva de vida, entre outros.
a. MINIMO
b. GRAVE
c. MÁXIMO

4. LESÃO CORPORAL SEGUIDA DE MORTE: Avaliar o “animus necandi” do autor. Intenção de matar.






AGRADECEMOS:

1. Ao Exmo sr. CAMELÔ, por nos fornecer uma cópia pirata do Office e do Uíndous.
2. A prefeitura Municipal de Carapicuíba (http://www.carapicuiba.sp.gov.br/) e a seu povo, que nos proporcionou um vasto vocabulário.
3. Ao esse lentíssimo professor de Medicina Legal, que nos proporcionou tantas horas de estudo, para fazer este grande texto.
Postar um comentário

ITANHAÉM, MEU PARAÍSO

ITANHAÉM, MEU PARAÍSO
A vida existe para ser vivida, não adiada.

Quem sou eu

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

COMO NASCEU ESTE BLOG?

Cursei, de 2004 a 2008, a graduação em Direito na Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo (FDSBC).

Registrava tudo o que os professores diziam – absolutamente tudo, incluindo piadas, indicações de livros e comentários (bons ou maus). Por essa razão, eram as anotações bastante procuradas.

Entretanto (e sempre existe um entretanto), escrevia no verso de folhas de rascunho, soltas e numeradas no canto superior direito, sem pautas, com abreviações terríveis e garranchos horrorosos que não consigo entender até hoje como pudessem ser decifradas senão por mim.

Para me organizar, digitava os apontamentos no dia seguinte, em um português sofrível –deveria inscrever sic, sic, sic, a cada meia página, porque os erros falados eram reproduzidos, quando não observados na oportunidade em que passava a limpo as matérias -, em virtude da falta de tempo, dado que cumulei o curso com o trabalho e, nos últimos anos, também estagiei.

Em julho de 2007 iniciei minhas postagens, a princípio no blog tudodireito. A transcrição de todas as matérias, postadas em um mesmo espaço, dificultava, sobremaneira, o acompanhamento das aulas.

Assim, criei, ao sabor do vento, mais e mais blogs: Anotações – Direito Administrativo, Pesquisas – Direito Administrativo; Anotações – Direito Constitucional I e II, Pesquisas – Direito Constitucional, Gramática e Questões Vernáculas e por aí vai, segundo as matérias da grade curricular (podem ser acompanhados no meu perfil completo).

Em novembro de 2007 iniciei a postagem de poemas, crônicas e artigos jurídicos noRecanto das Letras. Seguiram-se artigos jurídicos publicados noJurisway, no Jus Navigandi e mais poesias, na Sociedade dos Poetas Advogados.

Tomei gosto pela coisa e publiquei cursos e palestras a que assistia. Todos estão publicados, também, neste espaço.

Chegaram cartas (pelo correio) e postagens, em avalanche, com perguntas e agradecimentos. Meu mundo crescia, na medida em que passava a travar amizade com alunos de outras faculdades, advogados e escritores, do Brasil, da América e de além-mar.

Graças aos apontamentos, conseguia ultrapassar com facilidade, todos os anos, as médias exigidas para não me submeter aos exames finais. Não é coisa fácil, vez que a exigência para a aprovação antecipada é a média sete.

Bem, muitos daqueles que acompanharam os blogs também se salvaram dos exames e, assim como eu, passaram de primeira no temível exame da OAB, o primeiro de 2009 (mais espinhoso do que o exame atual). Tão mal-afamada prova revelou-se fácil, pois passei – assim como muitos colegas e amigos – com nota acima da necessária (além de sete, a mesma exigida pela faculdade para que nos eximíssemos dos exames finais) tanto na primeira fase como na segunda fases.

O mérito por cada vitória, por evidente, não é meu ou dos blogs: cada um é responsável por suas conquistas e a faculdade é de primeira linha, excelente. Todavia, fico feliz por ajudar e a felicidade é maior quando percebo que amigos tão caros estão presentes, são agradecidos (Lucia Helena Aparecida Rissi (minha sempre e querida amiga, a primeira da fila), João Mariano do Prado Filho e Silas Mariano dos Santos (adoráveis amigos guardados no coração), Renata Langone Marques (companheira, parceira de crônicas), Vinicius D´Agostini Y Pablos (rapaz de ouro, educado, gentil, amigo, inteligente, generoso: um cavalheiro), Sergio Tellini (presente, hábil, prático, inteligente), José Aparecido de Almeida (prezado por toda a turma, uma figura), entre tantos amigos inesquecíveis. Muitos deles contribuíram para as postagens, inclusive com narrativas para novas crônicas, publicadas no Recanto das Letras ou aqui, em“Causos”: colegas, amigos, professores, estagiando no Poupatempo, servindo no Judiciário.

Também me impulsionaram os professores, seja quando se descobriam em alguma postagem, com comentários abonadores, seja pela curiosidade de saber como suas aulas seriam traduzidas (naturalmente os comentários jocosos não estão incluídos nas anotações de sala de aula, pois foram ou descartados ou apartados para a publicação em crônicas).

O bonde anda: esta é muito velha. A fila anda cai melhor. Estudos e cursos vão passando. Ficaram lá atrás as aulas de Contabilidade, Economia e Arquitetura. Vieram, desta feita, os cursos de pós do professor Damásio e da Gama Filho, ainda mais palestras e cursos de curta duração, que ao todo somam algumas centenas, sempre atualizados, além da participação no Fórum, do Jus Navigandi.

O material é tanto e o tempo, tão pouco. Multiplico o tempo disponível para tornar possível o que seria quase impossível. Por gosto, para ajudar novos colegas, sejam estudantes de Direito, sejam advogados ou a quem mais servir.

Esteja servido, pois: comente, critique, pergunte. Será sempre bem-vindo.

Maria da Glória Perez Delgado Sanches